Grupo Recuperando Vida

Compreendendo a morfina

Compreendendo a morfina

Compreendendo a morfina é uma substância natural extraída da planta da papoula do ópio ou da palha concentrada da papoula. Sua composição química é semelhante a da heroína, pois ambas são extraídas da mesma planta.

Batizada com o nome de Morpheus, o deus grego dos sonhos, proporciona uma sensação de euforia, muitas vezes descrita como um estado de sonho. O medicamento pode ser tomado na forma de comprimido, xarope ou injeção. Podendo em alguns casos, ser fumada.

É uma droga usada para tratar dores moderadas, graves e crônicas. Comumente é utilizada para o alívio da dor após grandes cirurgias, tratamento para dores relacionadas ao câncer e falta de ar no final da vida de um paciente.

No entanto, a morfina também apresenta um alto potencial de abuso por causa de seus efeitos prazerosos também por ser altamente viciante, pois a tolerância a ela se desenvolve rapidamente

Nos últimos anos, as pílulas de morfina foram motivos para discussão devido ao alto índice de abuso, sendo assim foi designado que não possam ser esmagadas, cheiradas ou injetadas. Embora isso tenha reduzido o potencial de dependência da morfina prescrita, não eliminou que morfina seja fabricada ilegalmente.

Efeitos e abuso da morfina

Como droga narcótica, a morfina costuma ser abusada por seus efeitos prazerosos. Aqueles que sofrem de dor crônica têm o potencial de fazer mau uso de seus medicamentos, o que aumenta a probabilidade de desenvolver um transtorno por uso de substâncias.

Os efeitos comuns da morfina incluem:

  • Euforia
  • Alívio da dor
  • Sonolência
  • Ansiedade reduzida
  • Sensação de bem-estar
  • Sensação de calma ou relaxamento

Sempre que alguém usa morfina sem receita, é considerado abuso. Embora seja uma substância legal quando prescrita, é uma substância fortemente regulamentada. A posse de morfina sem receita é uma infração penal, cujo grau varia de acordo com a localização e a quantidade da droga em posse.

Aqueles que abusam da morfina em altas doses correm o risco de overdose. Os sinais de uma overdose de morfina incluem: fala arrastada, desatenção, sonolência intensa, febre, pressão arterial elevada, sede aumentada, dor lombar ou lateral, diminuição da capacidade de resposta, sonolência extrema, inchaço da face e extremidades, nenhum movimento, respiração lenta e cãibras musculares, espasmos, dor ou rigidez. Isso ocorre porque a morfina deprime o sistema nervoso central. A super dosagem pode causar inconsciência, coma ou respiração abrandada a ponto de morrer.

Vício em Morfina

O vício em morfina se desenvolve por uma série de razões, especialmente quando alguém constantemente abusa dessa droga poderosa. Um vício geralmente começa com uma tolerância – a necessidade de doses maiores de morfina para sentir seus efeitos. Uma vez que a tolerância se desenvolve, os usuários experimentam sintomas de abstinência quando não tomam morfina. Em muitos casos, a dependência psicológica da morfina se desenvolve logo após a física.

Alguém viciado em morfina irá compulsivamente procurar e abusar dela, ignorando as consequências negativas.

O vício em morfina é semelhante ao vício em heroína e é um vício muito difícil de superar. A retirada repentina da morfina pode ser extremamente desconfortável e desagradável; portanto, uma desintoxicação controlada por um médico é a melhor maneira de livrar o corpo da substância, pois aos cuidados de um profissional será realizada de maneira segura.

Morfina e outras drogas

Como a morfina é um depressor do sistema nervoso central (SNC), é muito perigoso combiná-la com outros depressores do SNC. Álcool e benzodiazepínicos são dois depressores do SNC comumente usados de forma abusiva, que podem resultar em sedação extrema, insuficiência respiratória ou mesmo coma quando usados com morfina.

Por isso, o Grupo Recuperando Vida se tornou referência no trato da dependência de substâncias psicoativas em todo o Brasil, sobretudo, para dependentes químicos